Tudo O Que Existe

“Na infância, temos plena consciência do sentido religioso do movimento, pois nessa altura a mente ainda não está obscurecida por dogmas ou credos.”
Isadora Duncan, Art of Dance

Isadora Duncan (1877-1927), uma bailarina americana precursora da dança contemporânea. Para ela, dança era liberdade, uma forma elevada de comunicar sentimentos e emoções. Pregou, como a própria assumiu, uma religião da dança.

Milénios antes, Hipátia (c. 355 – 415 d.C.), filósofa neoplatonista e cientista do império romano, foi conselheira dos governantes de Alexandria. A filosofia que ensinava viria a influenciar o pensamento filosófico e teológico das principais religiões abraâmicas: o cristianismo, o judaísmo e o islamismo.

Apesar da distância que as separa, Isadora e Hipátia foram unidas pela sua condição feminina; pela filosofia, que norteou as suas vidas; pela liberdade que gozaram para desenvolver as suas artes; pelo impulso de partilhar o conhecimento que as inundava e, numa nota menos relevante, mas ainda assim coincidente, pelas suas mortes trágicas.

O espectáculo cresce a partir da vida destas duas mulheres, e do que se imagina que seria um diálogo entre ambas, explorando a dimensão espiritual nas suas vidas. Para Hipátia, essa dimensão encontra-se nos livros, no estudo e no academismo. Para Isadora na emoção e nos sentimentos, na liberdade que cultiva.

No conflito entre estas visões, aparentemente contrárias, reflecte-se acerca do que nos move hoje, num mundo que de tão rápido e intenso, excessivo e tantas vezes pessimista, nos convida antes a desligar e a funcionar como autómatos. Podemos encontrar inspiração nestas duas mulheres? Há pistas para uma vida mais plena nas suas visões?

Cruzando ideias de espiritualidade secular e religiosa, esperamos criar um universo de reflexão e de contemplação, discorrendo sobre o alento que um significado superior e divino, para os nossos tempos e dias, pode ou não oferecer.

Concepção, Criação
Ana Seia de Matos

Criação e Interpretação
Mariana Silva, Sofia Moura

Apoio à encenação
Leonor Keil

Apoio à dramaturgia
Guilherme Gomes

Desenho de luz (apoio)
Nuno Rodrigues

Desenho de som (apoio)
Cláudio Ferreira

Cenografia e figurinos
Ana Seia de Matos

Design e fotografia
Luís Belo